sábado, 2 de janeiro de 2016

Feliz Ano Novo. E uma pavlova festiva.

Desde sempre que a palavra merengue me intimida. Foram fracassos sucessivos, alguns comestíveis, outros nem tanto. Confiei demasiado no destino e não fiz as pesquisas necessárias. E afinal não é nada de muito complexo. Pelo menos o merengue francês, o único em que me aventurei. Basta seguir algumas regras básicas e é fácil acertar. Das primeiras vezes, batia demasiado as claras antes de juntar o açúcar. Acho que era esse o problema. O segredo é, mal comecem a surgir os primeiros picos, começar a adicionar o açúcar, continuando a bater até que o merengue esteja bem firme. 
Este Natal, decidi fazer pavlova. A medo, confesso, que conheço bem esta minha limitação. Li as dicas com muita atenção, usei claras à temperatura ambiente, bati-as com a batedeira, para ir vigiando a consistência. E resultou! Fiquei mesmo feliz! É só um merengue, eu sei. Mas, para mim, foi uma vitória. A minha vitória culinária de 2015.

Pavlova de Natal
com creme de mascarpone




Ingredientes para a pavlova:
4 claras, à temperatura ambiente
200 g de açúcar 
1 colher de chá de vinagre
1 colher de chá de maizena

Ingredientes para a cobertura:
1 caixa de mascarpone
400 g de natas gordas, geladas
1 colher de café de extrato de baunilha
1 chávena de açúcar confeiteiro

Figos (receita aqui) e cerejas em calda e açúcar colorido para decorar


Bater as claras até começarem a formar bicos suaves. Adicionar uma colher de açúcar de cada vez, continuando a bater, até que o merengue esteja bem firme. Juntar a maizena e o vinagre e envolver suavemente, com uma vara de arames. 
Aquecer o forno a 180 graus.
Forrar um tabuleiro com papel vegetal e, com um lápis, desenhar uma circunferência no centro (uso um prato). Dispor o merengue, em forma de coroa. 
Levar o merengue ao forno, reduzir a temperatura para 150 graus e deixar cozer uma hora. Desligar o forno e deixar a pavlova arrefecer completamente dentro do forno.

Bater as natas até estarem firmes. Juntar o mascarpone e a baunilha e bater, numa velocidade baixa, apenas até estar tudo misturado. Verter sobre a pavlova e decorar a gosto. 


(A fotografia da fatia foi tirada no dia seguinte, depois de a pavlova ter passado a noite no frigorífico, daí as cores estarem desbotadas.)

Um feliz 2016 para todos quantos passam por aqui! 

10 comentários:

  1. Cá em casa também adoramos pavlova, principalmente com morangos frescos e lemon curd. Não sabia que se tinha de ter algumas regras para a fazer, na realidade nunca tenho muitos cuidados quando as faço e têm-me corrido bem :) Uma óptima sobremesa para estes dias, digna de qualquer festa :)
    Gulosoqb

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Morangos frescos e lemon curd parece-me bem.
      Quanto às regras, se calhar tens um talento natural para a coisa e nem te apercebeste de que as cumprias sem saber ;) Não foi o meu caso. Não foi fácil acertar!

      Um beijo,

      Ilídia

      Eliminar
  2. Estavas tão feliz ao telefone, a falar desta pavlova:) Aquela alegria especial, quando conseguimos fazer uma coisa que não conseguíamos fazer. Ou que achávamos que não conseguíamos fazer. Nunca fiz nada disto na vida. Pode ser que o ano novo tenha esta alegria dentro:)

    Um ano cheio de alegrias, minha querida.

    Um beijo.

    Mar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estava mesmo! Foram várias tentativas até conseguir um resultado que me satisfizesse. Por isso, foi mesmo felicidade que senti ao olhar para a minha pavlova :) Experimenta. Quem sabe és mais dotada do que eu para o merengue e acertas à primeira ;)

      Um ano muito feliz para ti também :)

      Um beijo grande,

      Ilídia

      Eliminar
  3. Gosto tanto de pavlova.
    A tua ficou linda, para primeira vez saíste-te muito bem :)
    Beijinhos e bom ano.
    Ana Costa || Petiscana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelo elogio, mas não foi a primeira vez. Foi a primeira vez que acertei, isso sim ;)

      Um bom ano.

      Beijinho,

      Ilídia

      Eliminar
  4. Tenho a certeza que a partir de agora vais tratar a pavlova por tu! Isso aconteceu-me com o bolo de bolacha! Passei anos a evita-lo porque não me tinha corrido bem e porque não tinha ficado sequer comestivel. Um dia enfrentei-o, afinal se tanta gente elogiava tal iguaria não poderia ser assim tão dificil! E não é que deu certo?! Afinal não tem nada que saber e passou a ser umas das sobremesas favoritas do meu marido! Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que sim. Afinal é simples, depois de conhecer as manias do merengue :) Nestas coisas da cozinha (e noutras), o segredo é a persistência ;)

      Um beijinho,

      Ilídia

      Eliminar
  5. Feliz 2016!!
    que bela receitinha!
    Beijinhos,
    http://sudelicia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Susana!

      Feliz ano novo!

      Um beijinho

      Ilídia

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Acerca de mim

A minha foto
O Acre e Doce é um blogue que celebra a vida de casa, principalmente os momentos passados à volta da mesa. É um blogue de coisas que nos fazem felizes, sejam uma refeição, um filme, um livro ou um ramo de flores frescas.