sábado, 5 de maio de 2012

Coisas raras

Quem acompanha este blogue provavelmente já conhece o meu ritual dos sábados de manhã: a ida à Biofontinhas. Quase sempre com o Manel. Momentos nossos, a dois. Porque é importante estarmos a três. Mas também a dois. Eu com o Manel. Eu com o pai do Manel. O Manel com o pai. Durante a viagem conversamos muito. Ele faz-me perguntas. Eu respondo-lhe. Eu faço-lhe perguntas. Ele responde-me. Ouvimos música. Comentamos a música que ouvimos. Momentos bons, em suma.
Na quinta, ajuda-me a escolher os legumes e vegetais e vai-os nomeando: brócolos, batatas, cenouras... Conversa com o senhor João, a Maria João e o Avelino. Passeia comigo pelas estufas. Vamos ver os peixes.  Prova flores comestíveis. E gosta :) Vamos, com o Avelino, colher as "coisas raras", de que ele sabe que gosto:)
 Hoje, trouxemos um pouco de uma das plantas mais bonitas que já vi, a planta do gelo, assim denominada por parecer estar coberta de geada.

Trouxemos ainda cenouras coloridas. Para além das normais, cor de cenoura, trouxemos brancas, roxas e avermelhadas (samurai).

Cheguei a casa e salteei-as para o almoço, juntamente com couves chinesas, colhidas pelo Avelino, que me disse: Ficam muito boas salteadas com as cenouras. Eu obedeci. Ele tinha razão. Tem sempre ;) Muito obrigada, continua a ser um prazer visitar-vos. 

Salteado de cenouras e couve chinesa
(não indico quantidades, pois foi tudo feito "a olho")


- cenouras (de preferência, várias espécies)
- 1 molho de couves chinesas
- azeite q.b.
- 2 dentes de alho
- 1 cebola chinesa (podem substituir por chalota ou spring onion)
- tomilho fresco q.b.
- flor de sal e pimenta preta, moída na hora

Raspei as cenouras e cortei-as em quatro partes, no sentido longitudinal.
Num wok, coloquei azeite, alho picado e a cebola, cortada em rodelas. Deixei refogar. Adicionei as cenouras, temperei com a flor de sal e a pimenta e tapei. De vez em quando, sacudia o wok. Quando as cenouras estavam quase no ponto, juntei as couves chinesas, inteiras, folhinhas de tomilho, tapei e voltei a sacudir o wok. Deixei cozinhar mais alguns minutos. Servi, juntamente com arroz de açaflor, a acompanhar frango assado.

21 comentários:

  1. Nunca mais fui à Biofontinhas. Tenho de ir lá qualquer dia, o meu problema é sempre a dificuldade de acordar cedo... Essas cenouras coloridas são uma novidade para mim.
    Adoro legumes salteados e esses devem ter ficado deliciosos.
    Bom fim de semana. Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Manuela, na verdade, estas cenouras coloridas foram uma atenção especial do Avelino. Ele cultiva-as propositadamente para o Ambientes e Sabores. Mas como sabe que adoro estas coisas, ofereceu-me estas :)
      Se algum dia acordares mais cedo, avisa. Eu, com o Manel, tenho mesmo que acordar com as galinhas :)
      Beijinhos

      Eliminar
  2. gosto muito de ir contigo ao mercado e hoje houve coisas muito estranhas mas muuuuito coloridas
    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. Adorei o teu salteado, super apetitoso! Nem sabia da existÊncia de outras espécies de cenouras!!! Sou mesme "naba", lol.
    Quanto à planta do gelo, provei pela primeira vez, e soube da sua existência, no ano passado por esta altura, aquando do Festival de Gastronomia da Terceira. Fazia parte da entrada do restaurante "Mar à Mesa". Muito bom!
    Beijinho.
    Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também só soube há pouco tempo :) Mas são giras, não?
      Também comi planta do gelo no Ambientes, num risotto vegetariano. Delicioso! Cá em casa, só a uso em salada. Tenho de explorar outras confeções.
      Beijos

      Eliminar
  4. Que legumes lindos, lindos, lindos. E já abriam um franchising da Biofontinhas aqui no Porto, eu ia adorar ser uma visitante semanal (como faço religiosamente com o Bolhão!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não me parece, Ondina. Eles querem manter a coisa familiar. Os proprietários têm trabalhos para além da quinta. Mantêm-na apenas por gosto. Ainda bem :)

      Eliminar
  5. Não conhecia essa planta do gelo, é linda.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo :) E saborosa. Tem um sabor salgado, a lembrar marisco. E vem da terra. Curioso, não?

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
  6. Esses momentos tão especiais são deliciosos :)
    E adorei as cenouras coloridas, lindas.
    Perfeito.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São mesmo. Faço questão de os cultivar. Sim, as cenouras são muito bonitas. Os olhos também comem. Mesmo :)
      Beijinhos

      Eliminar
  7. Olá Ana,
    estou encantada com o teu blogue , as tuas histórias, as fotos ... e estas cenouras tão lindas! Que sorte teres acessos a legumes assim!
    Já sou tua seguidora, voltarei muitas vezes. Sabes eu adoro viagens, ainda que sejam virtuais. Bjs
    P.S. Fico á tua espera no meu cantinho http://tentacoesobreamesa.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Lenita. Obrigada, mas não me chamo Ana. O meu nome é Ilídia :) Passarei no seu blogue para o conhecer.
      Beijinhos e volte sempre

      Eliminar
  8. Poética, essa planta. A juntar à poesia que são vocês os dois juntos. Num sábado de manhã. Grata por partilhares coisas assim. De muitas cores. Com nomes que podiam ser um poema. Às coisas raras, então. Todos os dias.

    Um beijo em dia das mães.

    Mar

    PS: Vi o teu email há pouco. Vou responder só hoje. Aniversário de casamento pelo meio. E "rapto" de marido à mistura:) Soube bem chegar aos nove anos de casamento. Quero mais:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Mar.
      Ser raptada pelo marido é bom. E chegar aos nove anos a querer mais, também :) Já vou em doze e também quero mais :)
      Um beijo

      Eliminar
  9. Cor é mesmo o teu middle name! Que desfile fantástico de contrastes. Uma luta entre cenouras samurai, roxas e brancas. Já não vou há imenso tempo ao Biofontinhas, pois para mim fica do outro lado da ilha, nada à mão, portanto, apesar da noção das distâncias ser relativa. Tenho-me ficado pelo meu vizinho das hidrosaladas que tem em comum com o Avelino o saber de experiência feito. E gosto de lá ir aos sábados de manhã porque à mistura com a verdura há muita conversa e a sensação de que o tempo voou sem nos preocuparmos com ele. É boa esta sensação de vivenciarmos os sítios com tempo.
    Um beijinho
    Patrícia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estes momentos matinais são, realmente, uma excelente forma de mandar embora o stresse de toda a semana. Adoro. E adoro chegar a casa carregada de coisas boas como estas. Estou curiosa em relação às hidrosaladas, mas fica do outro lado da ilha ;) Nós, habitantes de ilhas pequenas, estamos mesmo mal habituadas :)
      Beijo

      Eliminar
  10. Olá! sei que açaflor é um tempero açoriano (diferente de açafrão e de açafrão das índias), mas o que é exactamente? e como se utiliza?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro anónimo, deixo-lhe aqui um link que, melhor do que eu, responderá à sua dúvida em relação às diferenças entre os três temperos. Em relação às utilizações do açaflor, costumo usá-lo em pratos de arroz, essencialmente. No entanto, também é muito utilizado em comida indiana e em pratos de peixe.
      Espero ter ajudado.
      http://outrascomidas.blogspot.pt/2012/03/arroz-com-acafrao-das-indias.html

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Acerca de mim

A minha foto
O Acre e Doce é um blogue que celebra a vida de casa, principalmente os momentos passados à volta da mesa. É um blogue de coisas que nos fazem felizes, sejam uma refeição, um filme, um livro ou um ramo de flores frescas.