quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Doce de araçá com especiarias e o percurso de um fruto

Os frutos que deram origem a este doce foram colhidos por mim. Numa manhã fresca e sombria, saí à rua, com o meu cestinho, para colher araçás. Quando estou muito tempo sem me dedicar a estas atividades simples, elas têm um sabor especial. Depois de dias que nada têm a ver com a simplicidade infantil de tirar um fruto da árvore, aprecio melhor estas tarefas que, se fossem feitas todos os dias, me pareceriam monótonas e sem graça. Adoro sentir-me camponesa de vez em quando. Chegar à minha cozinha, pôr a música a tocar, vestir o avental e arregaçar as mangas. E apreciar os cheiros que saem dos tachos e ouvir o borbulhar das compotas. Se houver pão ou café a fazer, melhor ainda. 

Há semanas, colhi araçás, um fruto que abunda nas nossas ilhas, apreciado por muitos ao natural. No nosso jardim, temos dois araçaleiros. No entanto, nunca lhes dei grande importância. Acho-os bonitos, com os pontinhos amarelos que despontam no meio da folhagem verde, mas sempre os deixei à disposição da passarada. Os araçaleiros cá de casa sempre serviram exclusivamente para alimentar os melros e pardais que, mal pressentem a nossa aproximação, os abandonam em bandos ruidosos.
Apesar de não os apreciar ao natural, este ano decidi experimentá-los em doce. Colhi um cestinho deles e deixei os restantes para os pássaros. O resultado foi um doce diferente, com uma pontinha do amargo característico do araçá. Gostei. Nos próximos anos, os pássaros lá terão de dividir o alimento comigo. Parece-me justo. Afinal, sou uma inquilina simpática, que não só não os incomoda como ainda aprecia a sua presença nas redondezas.

Doce de araçá com especiarias

 Ingredientes:
1 kg de polpa de araçá
800 g de açúcar
3 paus de canela
5 cravinhos
2 vagens de cardamomo

Preparação:
Primeiro, descasquei os araçás, coei a polpa, de modo a livrar-me das sementes, e pesei-a.
Numa panela alta, coloquei a polpa de araçá, o açúcar e as especiarias (abri as vagens de cardamomo, retirei as sementes e coloquei-as na panela, assim como as cascas). Deixei cozinhar, em lume brando, mexendo de vez em quando, até fazer ponto. Para verificar o ponto do doce, coloquei uma pequena porção num prato frio e fiz uma "estrada" com o dedo (quando o doce não se unir e a "estrada" se mantiver, está no ponto). Coloquei o doce em frascos esterilizados (ou acabados de tirar da máquina de lavar, ainda quentes).

 


8 comentários:

  1. Oba oba, sou a primeira a comentar!
    Não conhecia este fruto, parecem uns marmelos mini ;)
    Fiquei curiosa até porque o doce ficou com óptimo aspecto.
    Beijinhos
    Teresa

    ResponderEliminar
  2. Conheci o fruto à pouco, e comi numa trifle com iogurte e palmieres. de facto tem um travo amargo, mas eu gostei... e assim parece-me uma óptima forma de os usar!
    Beijinhos,
    http://sudelicia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Cá em casa os araçás são apreciados ao natural, com leite e açúcar, apenas com açúcar e também em doce. O seu tem uma cor muito bonita e deve ser muito aromático. Fiz o meu apenas com açúcar.
    Graça

    ResponderEliminar
  4. gosto da diversidade de frutos que as ilhas têm. E como são diferentes dos do continente :)

    ResponderEliminar
  5. Nunca tinha visto/ouvido falar deste fruto que é tão abundante aí na tua ilha. As coisas que eu vou aprendendo:) E sim, quando nós estamos cinzentos como os dias, nada melhor do que fazer alguma coisa quanto a isso. Essa sequência de que falas parece-me bem. Mesmo bem.

    Um beijo.

    Mar

    ResponderEliminar
  6. Desconhecia o araçá Ilídia.
    Mas adorei conhecer, agora falta provar. Sou uma curiosa sempre. E tal como tu, gosto de me sentir camponesa. Que faço parte da terra e da natureza, e das coisas que nos rodeiam na horta.
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  7. Não conhecia mas, gostei de aprender algo novo.
    Bjs, Susana
    Nota: Ver os passatempos a decorrer no meu blog:
    http://tertuliadasusy.blogspot.pt/2013/11/1-aniversario.html
    http://tertuliadasusy.blogspot.pt/2013/12/strudle-de-bacalhau-e-couve-com-chourico.html

    ResponderEliminar
  8. Obrigada pelos vossos comentários. As nossas ilhas são mesmo generosas em frutos. Com este clima ameno, conseguimos umas espécies próximas do exótico :) O araçá, de tão abundante, é muitas vezes desprezado. A partir de agora, passarei a fazer doce. Há dias, um amigo disse-me que fez geleia e que também é muito bom.

    Beijos para todas,
    Ilídia

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Acerca de mim

A minha foto
O Acre e Doce é um blogue que celebra a vida de casa, principalmente os momentos passados à volta da mesa. É um blogue de coisas que nos fazem felizes, sejam uma refeição, um filme, um livro ou um ramo de flores frescas.